2as Sem Carne

Inês Gil Forte . Nutricionista

Numa breve entrevista, efectuada pela jornalista Gabriela Oliveira, Inês Gil Forte dá-nos a sua opinião sobre a campanha segundas sem carne, faz algumas recomendações e ajuda a esclarecer dúvidas relacionadas com o consumo ou não de carne.

Abril 2012

 

P: Que recomendações deixa a quem pretender diminuir o consumo de carne e peixe?

R: Nos dias em que não consumir alimentos de origem animal, por forma a obter a quantidade de aminoácidos/proteína necessários poderá realizar combinações entre cereais e leguminosas extremamente ricas, como por exemplo:

  • Arroz com feijão
  • Sopa de ervilhas e uma fatia de pão
  • Caril de lentilhas e arroz

Ou leguminosas com sementes:

  • Grão e sementes de sésamo
  • Hummus com tostas de milho

 

P: A maioria dos portugueses exagera no consumo de carne e peixe?

R: Sim. Está enraizado na cultura portuguesa a ideia de que é necessário consumir uma elevada quantidade de carne ou peixe (usualmente ao almoço ou ao jantar) para que consiga obter uma quantidade adequada de proteína. Esta ideia é um enorme erro! Vários alimentos de origem vegetal têm uma excelente concentração de aminoácidos, por exemplo o feijão, as ervilhas, o grão, as lentilhas e, claro, a quinoa , um alimento muito completo nesta temática!

 

P: A dieta mediterrânica vai ainda mais longe do que a Campanha Segundas Sem carne. Segundo esta dieta, na maioria dos dias não se deve comer carne ou peixe?

R: Se seguirmos as recomendações da alimentação mediterrânica, tão valorizada, deveremos consumir carne branca ou peixe apenas duas vezes e ovos até 4 por semana. A carne vermelha deverá ser consumida menos de uma vez por mês. Assim, conseguimos evitar o desenvolvimento de várias doenças, hoje bastante comuns, como cancro, problemas cardiovasculares, doenças degenerativas... Por estes motivos, é fundamental consciencializarmo-nos de que devemos reduzir seriamente a quantidade de produtos de origem animal que consumimos, bem como o numero de vezes que o fazemos.

 

P: Que valor de proteínas é necessário ingerir por dia?

R: Está definido que 10 a 35% da nossa ingestão calórica diária deve ser obtida através das proteínas. Apesar de esta recomendação ser estabelecida para o consumo de proteína animal, hoje sabe-se que através da junção adequada de cereais com leguminosas conseguimos obter os valores adequados de proteína.

Se seguirmos as recomendações da OMS para o consumo de proteína, temos uma recomendação de 0,75 g/kg/dia para cada individuo. Ou seja, uma pessoa que pese 60 Kg, deverá ingerir cerca de 45 gramas de proteína por dia. É sempre importante referir que no caso das crianças, grávidas e lactantes o valor de referencia é mais elevado.

 

P: É possível ter uma alimentação completa seguindo uma dieta vegetariana?

R: Existem vários tipos de alimentação vegetariana, muitos deles incluem alguns alimentos de origem animal, como os ovos e os lacticínios. Mas mesmo quando não incluímos esses alimentos, podemos obter os aminoácidos necessários em alimentos como a quinoa, a soja ou as lentilhas. O grande nutriente em falta numa alimentação vegana é a vitamina B12, que não existe nas plantas, exceto na alga Nori. Esta vitamina pode ficar armazenada no fígado durante vários anos, no entanto, existem no mercado vários alimentos, como derivados de soja, que são suplementados com B12. Desta forma, em termos nutricionais, a alimentação vegetariana poderá ser completa. Desde que se varie e, claro, se tenha cuidado com a quantidade de gorduras utilizadas na confeção dos alimentos.