2as Sem Carne

Prof. Amândio  Figueiredo . Presidente da Federação Portuguesa de Yoga

Depois de uma aula de Yoga no Museu do Oriente, junto à entrada, o professor, um homem de sorrisos e boa disposição, partilhou connosco as suas preferências alimentares.

P: Come carne?

R: Não. Não como carne. Ás vezes num restaurante ou em casa de amigos, carne de mamíferos não, carne de ave às vezes calha-me. De preferência nunca (risos).


P: Lembra-se com que idade assumiu esse tipo de alimentação?

R: Sim, tinha 16, 17 anos quando deixei de comer carne. Quando deixei de comer carne era muito novo, e na altura toda a minha família era carnívora, como qualquer bom português, eu próprio comecei a cozinhar lá em casa e fazia comida vegetariana para toda a gente. Já fazia Yoga também e acho que o Yoga foi uma grande prática que impulsionou o facto. Nunca foi por razões filosóficas, era mesmo pelo mau sentido de comer carne.
O Yoga definiu que para mim carne e Yoga não dá. Embora haja muita gente no Yoga que come, uma coisa não implica a outra.

P: Se perguntássemos pelos animais, pela saúde ou pela natureza, qual destes motivos falou mais forte?

R: A natureza, penso que a natureza. A Natureza, a parte mais subtil. Quando a pessoa percebe no trabalho do Yoga que a respiração é uma alimentação importantíssima. O Ambiente é mais importante. A Natureza é o mais importante, de onde vimos todos.

P: Como foi no inicio?

R: No início tive contestação familiar, gozo dos amigos, naquela altura... foi em 68, 69 ainda vocês andavam em viagens astrais, (risos). Mas na tropa foi o cabo dos trabalhos, mas felizmente estava numa zona de África muito fácil de apanhar fruta e outros e aí virei mesmo 100% vegetariano. A minha comida era discutida na messe, para ver quem é que ficava com o meu bife. Jogavam para ganhar o meu bife.


P: As pessoas que fazem Yoga procuram hábitos alimentares saudáveis?

R: Normalmente o próprio Yoga leva-nos a certa altura a que a pessoa comece a sentir uma certa incompatibilidade com a carne. Eu como assim, faço Yoga e não me sinto bem... se comer vegetariano, sinto-me muito melhor, então a própria pessoa naturalmente vai fazendo mudanças. São muitos os casos que conheço de pessoas que eram carnívoras e que ao longo da prática do Yoga dizem sentir-se muito melhor a não comer carne.


P: Influencia alguém ? Nota benefícios para a saúde?

R: Em termos de alimentação, quando me pedem conselhos, dou uma orientação com Ayurveda que é importante para a ligação do Yoga. É uma disciplina paralela com o Yoga. Ayur = saúde, veda = conhecimento, o conhecimento da saúde.
O fundamental do trabalho da Ayurveda é que a pessoa tem a saúde segundo aquilo que come, e daí que o Vegetarianismo é absolutamente assente, em que por exemplo o arroz é a base principal. Em relação aos benefícios de não comer carne, sim claro, sem dúvida.

P: Como é que se sente emocionalmente com esta escolha?

R: A maior sensibilidade, e melhor percepção emocional e maior controle. Não há raivas, digamos. Não se injecta na pessoa negatividade. Tudo o que é de emocional (sofre-se na mesma, tem-se tudo na mesma)  a sensibilidade é talvez um pouco maior mas também a aceitação e a resposta é mais pacífica. As pessoa que comem carne vermelha têm mais irritabilidade, etc.